Pressão arterial

INDICAÇÕES PARA MEDIÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL

Uma das principais indicações para avaliação da pressão arterial (PA) em um paciente é a observação de alterações clínicas consistentes com lesão hipertensiva de órgãos-alvo, principalmente no sistema ocular (retinopatia hipertensiva), renal (azotemia, proteinúria, microalbinúria), cardiovascular (hipertrofia ventricular esquerda, sopro sistólico) e neurológico (convulsões e estupor) (CARVALHO, 2009).

Clinicamente a suspeita de alterações na PA em cães é iniciada no exame físico, através da verificação do pulso, que reflete os batimentos cardíacos, o tempo de reperfusão capilar menor que um ou dois segundos, coloração vermelho-escuras nas mucosas, pupilas dilatadas, glândula tireóide hipertrofiada, sangramento urinário (hematúria) e nasal (epistaxe) (VEIGA, 2008).

Início repentino de cegueira é uma queixa bastante comum. Cães com hipertensão não controlada podem apresentar sintomas compatíveis com hemorragia cerebral (inclinação da cabeça, depressão, convulsão) e também apresentar sinais compatíveis com insufiência cardíaca (dispnéia, fraqueza, efusão pleural) (BROWN; HENIK, 2002).

Alguns fármacos também podem estar associados a aumentos dos valores da pressão arterial como os glicocorticóides, fenilpropanolamina, agentes nefrotóxicos (aminoglicosídios, anfotericina, ciclosporina) e fármacos da classe das anfetaminas (CARVALHO, 2009).

A monitoração da pressão arterial em pacientes críticos, por exemplo, em estado de choque, permite detectar rapidamente o estado do paciente e iniciar medidas corretivas adequadas. Uma hipotensão não detectada, principalmente quando se estende por longos períodos, pode levar a uma lesão hipóxica em diferentes órgãos, especialmente nos rins. É aconselhado estender estes cuidados a pacientes de pós- operatório (CARVALHO, 2009).

Uma grande parte dos anestésicos causa grande alteração na hemodinâmica, tornando de extrema importância a monitoração da pressão durante o procedimento anestésico, pois geralmente durante o transoperatório, há uma diminuição exagerada da pressão arterial que está associada a uma maior morbidade e mortalidade (CARVALHO, 2009).

 

Fonte: Silva, CRA. Métodos de aferição de pressão arterial em cães anestesiados com propofol e mantidos por halotano. Dissertação de mestrado, Teresina, 2010.