Gravidez, toxoplasmose e o gato

A toxoplasmose é uma doença infecciosa que se adquirida durante a gravidez pode causar aborto e má formação fetal. Muitas pessoas acreditam que o gato seja o principal transmissor da doença. Porém, a forma mais comum de contágio é a ingestão de carne crua ou mal cozida e a ingestão de frutas, legumes e verduras mal lavados.

Para o gato transmitir a doença, é necessário que este esteja doente e eliminando  oocistos. O felino pode se contaminar comendo carne crua, ratos, insetos ou outros animais que tenham cistos do protozoário e apenas elimina os oocistos nas fezes após 10 dias da contaminação e esta eliminação ocorre apenas uma única vez.

Estes oocistos eliminados esporulam em 48 horas. Portanto, para uma pessoa ser infectada pelo gato, é preciso que este animal esteja doente e eliminando os oocistos. Além disso, é necessário que a caixa de areia esteja suja por mais de 24 horas e a pessoa leve a mão suja de fezes à boca.

Os arranhões ou mordidas, o ato de acariciar o gato, são situações que não oferecem riscos aos humanos. Sendo assim, a prevenção da toxoplasmose congênita ou adquirida depende apenas de bons hábitos de higiene pessoal. O uso de pazinhas e luvas para higienização diária da caixa de areia e o uso de água sanitária para a limpeza da mesma são suficientes para prevenção da infecção pelo Toxoplasma gondii.